Polvo-dumbo: um animal fofo de grandes profundidades

Atualizado: 1 de dez. de 2021

Autores: Raphaela A. Müller, Fernanda Cabral Jeronimo, Thais R. Semprebom, Mariana P. Haueisen e Douglas F. Peiró



Fotografia de um polvo-dumbo. O animal, que tem o formato semelhante a um guarda-chuva aberto, encontra-se centralizado na foto flutuando embaixo d'água.

Polvo-dumbo da espécie Opisthoteuthis agassizii, encontrado a mais de 920 m abaixo do nível do mar no sudeste dos Estados Unidos. Fonte: NOAA Photo Library/Oceanexplorer (CC0).



Os polvos são animais marinhos do Filo Mollusca, classe Cephalopoda. Eles possuem oito tentáculos, característica que os fazem pertencer à ordem Octopoda (que significa oito pés). São estritamente marinhos e são encontrados em todos os oceanos do mundo.


Esses animais têm o cérebro mais complexo que qualquer outro invertebrado e são umas das criaturas marinhas mais impressionantes e habilidosas já encontradas. Uma característica muito marcante desse animal é a inteligência, tendo cerca de 500 milhões de neurônios, sendo que os humanos têm, em média, 86 bilhões. É por isso que eles são mestres na camuflagem, conseguem mudar de cor e textura, além de possuírem uma grande flexibilidade, conseguindo se alojar em pequenos buracos e fendas de rochas, muito adaptados à vida no oceano.


Sua morfologia é caracterizada por uma cabeça e um pé completamente fundidos, com oito tentáculos ao redor da cabeça. O manto (cavidade muscular que envolve o corpo) protege o saco visceral e possui músculos fortes necessários para a contração da cavidade e respiração.


Os polvos são animais carnívoros e se alimentam de peixes, crustáceos e outros invertebrados. Eles usam os braços para caçar e matam a presa com o bico quitinoso (estrutura em forma de bico, sendo a única estrutura rígida do seu corpo). Eles possuem estruturas oculares análogas aos olhos humanos, utilizam ambos os olhos para a visão binocular e são capazes de enxergar cores, assim como nós.



E O POLVO-DUMBO?


Foto de um polvo-dumbo flutuando embaixo d'água. O animal encontra-se lateralizado na fotografia, e ao fundo tem um substrato arenoso.

Polvo-dumbo nas águas do Golfo do México. Fonte: NOAA OKEANOS EXPLORER Program/NOAA Photo Library/Flickr (CC BY-SA 2.0).



São octópodes membros da família Opisthoteuthidae e são chamados de polvos-dumbo por causa das duas barbatanas membranáceas que se localizam no topo da cabeça. Essas barbatanas o fazem parecer com o elefante do filme Dumbo, de Walt Disney. Os indivíduos dessa família são normalmente pequenos, em torno de 20 centímetros de comprimento, porém já foi encontrado um indivíduo que tinha quase 2 metros de comprimento.


Existem cerca de 6 gêneros conhecidos desta família (Cryptoteuthis, Grimpoteuthis, Luteuthis, Opisthoteuthis, Cirroteuthopsis e Enigmatiteuthis). Eles conseguem suportar a pressão das zonas abissais (3 mil a 4 mil metros abaixo do nível do mar), e outras espécies conseguem sobreviver a 7 mil metros, profundidade máxima que já se encontrou um cefalópode. Os polvos-dumbo que encontram-se nas águas mais rasas alimentam-se de zooplâncton, principalmente copépodes pelágicos (crustáceos que medem cerca de 1 a 2 milímetros de comprimento) e peixes pequenos. Os indivíduos que habitam as águas abissais alimentam-se de crustáceos, vermes e bivalves.


Foto de um polvo-dumbo flutuando embaixo d'água. O animal encontra-se lateralizado na fotografia, e ao fundo tem um substrato que aparenta ser o fundo do mar.

Polvo-dumbo durante uma expedição no Golfo do México. Fonte: NOAA OKEANOS EXPLORER Program/NOAA Photo Library/Flickr (CC BY 2.0).



As fêmeas e os machos apresentam padrões diferentes de tamanhos e ventosas. Especula-se que a morfologia maior e mais robusta dos machos possa indicar algum tipo de competição por fêmeas, pois em outras espécies de cefalópodes nos quais há essa competição também existe essa diferença de tamanho. Alguns estudos demonstram que as fêmeas produzem ovos continuamente, ou seja, não existe um período definido para o acasalamento. Diferente de algumas espécies de polvos, em que os indivíduos femininos protegem seus ovos por alguns meses, as fêmeas do gênero Grimpoteuthis, logo após a fecundação dos ovos, depositam-nos debaixo de conchas e pedras e os abandonam.


Os machos, assim como os outros polvos, possuem um tentáculo mais comprido que os demais, chamado de hectocótilo, usado para armazenar e transferir os espermatozoides para as fêmeas durante a cópula.


Fotografia de um polvo-dumbo da espécie Grimpoteuthis umbellata. O animal encontra-se com os tentáculos encolhidos, parecendo se encolher. No fundo da foto percebe-se ser o fundo do mar pela escuridão.

Polvo-dumbo da espécie Grimpoteuthis umbellata. A postura que esse animal se encontra na foto não havia sido observada antes nesta espécie. Fonte: NOAA Photo Library/Oceanexplorer (CC0).



Existem poucos estudos sobre o modo de vida do polvo-dumbo. Algumas observações comportamentais que foram registradas em animais retirados das profundezas e confinados em aquários são consideradas suspeitas, pois animais retirados de seu habitat natural podem apresentar comportamentos diferentes de quando estão livres na natureza. No entanto, algumas hipóteses mostram que esse animal parece depender quase inteiramente, além dos tentáculos, de suas barbatanas para locomoção.


O polvo-dumbo é um animal raro e dificilmente encontrado, devido a sua preferência por águas profundas. Trazer esse animal para a superfície pode ocasionar em morte. Embora existam poucos estudos feitos sobre o polvo-dumbo, acredita-se que ele não esteja risco de extinção, porém, com os grandes problemas ambientais como o descarte inapropriado de lixo e a mudança da temperatura nos mares pode prejudicar esta e muitas outras espécies.



Escute este artigo também pelo nosso Podcast. Clique aqui!



Bibliografia


COOPER, D. Dumbo Octopus Information: Fun & Interesting Facts. Brighthub. 2010. Disponível em: https://www.brighthub.com/environment/science-environmental/articles/62036/#references. Acesso em: 5 jul. 2020.


COLLINS, M. O gênero Grimpoteuthis (Octopoda: Grimpoteuthidae) no Atlântico Nordeste, com descrições de três novas espécies. Zoological Journal of the Linnean Society, [S. l.], 2003, v. 139, n. 1, p. 93-127, 2020. Disponível em: https: //doi.org/10.1046/j.1096-3642.2003.00074.x. Acesso em: 1 jul. 2020.


VECCHLONE, M. et al. Biology of the cirrate octopod Grimpoteuthis glacialis (Cephalopoda; Opisthoteuthididae) in the South Shetland Islands, Antarctica. South African Journal of Marine Science, v. 20, n. 1, p. 421-428, 2010. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.2989/025776198784126467. Acesso em: 5 jul. 2020


NEVES, L. et al. Polvo: um animal, sete maravilhas. Revista Biologia Marinha Bioicos, v. 1, n. 1, p. 62-68, 2018. Disponível em: https://www.bioicos.com.br/post/polvo-um-animal-sete-maravilhas. Acesso em: 2 jul. 2020.


TAVARES, L. Polvo-dumbo. Vida em destaque. FCiências. 2013. Disponível em: https://www.fciencias.com/2013/08/16/polvo-dumbo-animal-em-destaque/. Acesso em: 2 jul. 2020.