Zooartesanato e o comércio ilegal de animais silvestres

Atualizado: 1 de abr.

Autores: Lucas Rodrigues da Silva, Fernanda Cabral Jeronimo, Thais R. Semprebom e Mariana P. Haueisen


A imagem nos mostra duas fotos diferentes de uma espécie de estrela-do-mar. Na primeira, o animal está em seu habitat, sob a areia de cor branca e vegetação marinha de cor verde. A estrela é vermelha com diversos detalhes (pontos ao longo do corpo) em amarelo. A segunda foto nos mostra o exoesqueleto do animal sob um fundo preto. O corpo do animal tem a coloração bege claro e está com uma etiqueta de identificação.

Oreaster reticulatus é uma espécie de estrela-do-mar, com distribuição do litoral do estado do Amapá até o litoral norte de Santa Catarina. Além disso, pode ser encontrada em outras partes do mundo. Seu exoesqueleto pode ser utilizado em rituais religiosos e como itens decorativos. Fonte: (A) James St. John/Wikimedia Commons (CC BY 2.0) e (B) Michela Borges/Banco de Imagens Cifonauta (CC BY-NC-SA 3.0).



O USO DE ANIMAIS SILVESTRES NO ZOOARTESANATO E EM RITUAIS RELIGIOSOS


A utilização de animais em rituais religiosos não é um tema novo e vem sendo praticado desde a antiguidade. Geralmente, está ligada ao fácil acesso aos habitats dos animais, crenças religiosas e à dependência financeira que este tipo de comércio proporciona. Espécies marinhas de diversos filos sofrem cada vez mais com essas coletas indevidas (redução populacional, podendo causar a extinção da espécie, por exemplo) e, além dos fatores citados anteriormente, a falta de informação científica faz com que a situação se agrave, visto que a eficácia dessas práticas não são comprovadas cientificamente.


A Oreaster reticulatus, estrela-do-mar, é uma das espécies animais ameaçadas pela coleta ilegal. Ela vive em águas rasas e tranquilas. O exoesqueleto do animal é utilizado em rituais religiosos e artesanatos de diversos fins. Por ser um animal encontrado em águas rasas e calmas, sua coleta é facilitada. Segundo o Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção, essa espécie corre o risco de ser extinta, pois está caracterizada como vulnerável.


A comercialização de moluscos (conchas), cavalos-marinhos (animal inteiro) e raias (pedaço da cauda) também foram registradas com diversos fins, desde “previsão do futuro” até “atração de dinheiro”. A permanência dessa prática só reforça a importância dos programas de conservação, da educação ambiental, da divulgação científica e de uma fiscalização ostensiva visando à diminuição desse comércio.


Na imagem podemos ver em primeiro plano, um gastrópode morto dentro de sua concha sob uma superfície. Há uma placa escrita em inglês "Bailer Shells - Product of Australia". Aparentemente essa fotografia foi tirada em um local onde existe a comercialização desses animais para fins gastronômicos.

Uma das alternativas para o zooartesanato é a utilização das conchas dos animais que são coletados para fins alimentícios, desde que a coleta seja sustentável. Assim, o pescador consegue obter recursos financeiros de diversos meios, com a mesma fonte. Fonte: Squirrel_photos/Pixabay.



O artesanato é a produção artesanal de qualquer objeto que possa ser comercializado. Sua construção deve ser predominantemente manual, com a utilização de equipamentos simples e de matéria prima local ou regional. O local de produção geralmente é na casa do próprio produtor, em pequenas oficinas ou em cooperativas.


Caracterizam-se como zooartesanato os artesanatos que utilizam animais ou parte deles em sua composição. Assim como o uso de animais silvestres em rituais religiosos, o zooartesanato faz parte do cotidiano e da cultura de diversos povos, que encontram nestas atividades um meio de se conectar com a natureza e de subsistência (ainda que agrida o meio ambiente). Se analisarmos em pequena escala, com poucos produtores, o impacto pode parecer mínimo. Porém, quando elevamos a escala dessa produção (grandes indústrias ou produtores artesanais atuando no mesmo local, por exemplo) o estrago pode ser maior. Por isso, essas atividades devem ser repensadas e gradualmente substituídas.



TRÁFICO DE ANIMAIS SILVESTRES


Entende-se como animais silvestres, ou selvagens, todos os animais não domesticados, originados da natureza. De modo geral, comércio ilegal e tráfico são a mesma coisa e podem ser estimulados com a compra, venda e captura desses animais. Junto com a introdução de espécies exóticas e degradação dos habitats, o tráfico de animais é um fator agravante na diminuição da riqueza de espécies de um ambiente. Tanto animais terrestres quanto aquáticos estão sujeitos ao comércio ilegal. Porém, a finalidade da coleta desses organismos pode variar: coletas para fins mágicos-religiosos e para zooartesanatos.



PERFIL SOCIOECONÔMICO DA POPULAÇÃO ENVOLVIDA COM ZOOARTESANATO


Mesmo com os pontos negativos citados anteriormente, o zooartesanato com animais marinhos se estabelece predominantemente em regiões costeiras, como fonte de renda principal ou alternativa dos artesãos. Em uma pesquisa no Estado de Pernambuco, a produção dos zooartesanatos mostrou-se como fonte principal de renda dos artesãos, o que sugere, ainda, dependência desse meio para o sustento dessas famílias. Outro fator importante para se ressaltar é a falta de informação sobre a legislação. Ao serem questionados, os entrevistados não demonstraram nenhum conhecimento sobre o Decreto Estadual (Dezembro de 1999, Nº 21.972) vigente, que proíbe a extração de fauna e flora na zona de recifes e plataforma continental de todo o litoral sul de Pernambuco (incluindo coleta, transporte e comercialização de peixes ou outros organismos com características ornamentais).


Para que o zooartesanato seja reduzido, o diálogo entre o poder público e os artesãos deve ser claro, visando ao equilíbrio entre meio ambiente e economia local, com alternativas para substituir essa fonte de renda. O mesmo se aplica aos comerciantes que vendem os animais que são utilizados para fins religiosos. Vale ressaltar que o Instituto de Biologia Marinha Bióicos respeita todas as populações tradicionais e religiões, porém, práticas que agridem o ambiente marinho devem ser repensadas para que as ações humanas não alterem o funcionamento dos ecossistemas, do qual toda a vida na Terra depende.


A fotografia nos mostra diversos artesanatos em uma feira no estado de Pernambuco. Os artesanatos expostos são de tamanho (os menos com cerca de 5 centímetros e os maiores com aproximadamente 35 centímetros) e coloração diferentes. Algumas esculturas são de jogadores de futebol, outras ilustram o casal de cangaceiros, Lampião e Maria Bonita.

Exemplos de artesanatos na Feira de Caruaru, em Pernambuco, que não utilizam seres vivos em sua fabricação. Talvez essa seja uma das alternativas para substituir o zooartesanato. Fonte: Edudgarcia/Wikimedia Commons (CC BY 4.0).




Escute este artigo também pelo nosso Podcast. Clique aqui!



Bibliografia


ALVES, M. S. et al. Zooartesanato comercializado em Recife, Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Zoociências, v. 8, n. 2, p. 103-113, 2006. Disponível em: <https://periodicos.ufjf.br/index.php/zoociencias/article/view/24110>. Acesso em: 19 ago. 2020.


ALVES, M. S.; SILVA, M. A.; PINTO, S. L. Perfil sócio-econômico dos atores envolvidos na produção e comercialização de zooartesanato em Recife, Pernambuco - Brasil. Revista Nordestina de Zoologia, v. 4, n. 2, p. 97-104, 2010. Disponível em: <https://docplayer.com.br/14135294-Perfil-socio-economico-dos-atores-envolvidos-na-producao-e-comercializacao-de-zooartesanato-em-recife-pernambuco-brasil.html>. Acesso em: 19 ago. 2020.


DIAS, T. L. P.; LEO NETO, N. A.; ALVES, R. R. N. Molluscs in the marine curio and souvenir trade in NE Brazil: species composition and implications for their conservation and management. Biodiversity and Conservation, v. 20, p. 2393–2405, 2011. Disponível em: <https://link.springer.com/article/10.1007/s10531-011-9991-5>. Acesso em: 19 ago. 2020.