Principais impactos antrópicos no ambiente marinho

Atualizado: 3 de ago.

Autores: Luane Rodrigues, Fernanda Cabral Jeronimo, Mariana P. Haueisen e Douglas F. Peiró



Fotografia de um leão-marinho no oceano com uma rede de pesca de tom verde enrolada em seu pescoço, é possível ver o início de alguns ferimentos.

Leão-marinho com uma rede de pesca preso ao seu pescoço. Fonte: Piqsels.



O oceano cobre mais de 70% da superfície terrestre, sendo um importante ecossistema com uma vasta biodiversidade e sensível a alterações ambientais. Segundo a IUCN (2020), mais de 76% das espécies marinhas possuem algum risco de extinção, sendo 7,4% classificadas como criticamente ameaçadas, em perigo ou vulneráveis à extinção.


Com o avanço do tempo e as transformações da sociedade, o impacto sobre a natureza aumentou drasticamente, gerando consequências negativas ao ambiente. Especificamente no ambiente marinho, listamos alguns dos impactos antrópicos mais relevantes.



ACIDIFICAÇÃO


A acidificação dos oceanos decorre da grande quantidade de emissões de gases na atmosfera. O pH dos oceanos diminuiu 30% em 250 anos, alterando o ciclo do carbono e aumentando a quantidade de íons de hidrogênio livres na água, o que intensifica a acidificação Consequentemente, o processo de calcificação realizado por alguns organismos foi alterado, impactando na produção de conchas e do exoesqueleto de alguns animais, como os corais.


O aumento da emissão de dióxido de carbono (CO₂) na atmosfera, pelas atividades antropogênicas, resultou em níveis 40% maiores de CO₂ no ambiente comparado ao período pré-industrial. O CO₂ presente na atmosfera é capturado pelos oceanos e, por meio de reações químicas, é absorvido por diversos organismos marinhos para a formação do carbonato de cálcio