top of page

Peixe-napoleão: o gigante dos mares ameaçado de extinção

Atualizado: 2 de jun. de 2023

Autores: Raphaela Alt Müller, Fernanda Cabral Jeronimo, Aline Pereira Costa, Raphaela A. Duarte Silveira e Douglas F. Peiró



Fotografia do peixe-napoleão. O peixe está lateralizado na foto com todo o comprimento do corpo em evidência. Aparenta estar parado no fundo do aquário. Em segundo plano, encontra-se pedras no fundo e peixes nadando acima.

Peixe-napoleão, Cheilinus undulatus, também conhecido como bodião, no aquário Oceanopolis, em Brest, na França. Fonte: Thesupermat/Wikimedia Commons (CC BY-SA 4.0).



O peixe-napoleão, conhecido também por bodião, é o maior membro vivo da família Labridae. Esta espécie, Cheilinus undulatus, pode chegar a mais de 2 metros de comprimento e pesar 190 quilos.

Apesar de possuir uma protuberância na cabeça (característica que deu o nome popular, por fazer referência ao francês Napoleão Bonaparte), esse gigante possui uma beleza espetacular, com escamas em formato de diamante, coloração que varia entre verde, azul e amarela, e linhas pretas diagonais marcantes que parecem cílios atrás dos olhos.



Fotografia do peixe-napoleão. O peixe encontra-se lateralizado, com somente a parte da cabeça e brânquias aparecendo. Ele está com a boca entreaberta e percebe-se uma textura no corpo com várias linhas e pontos. Próximo ao olho, encontra-se duas linhas escuras laterais em direção à cauda. Em segundo plano está o azul do oceano.

Peixe-napoleão nadando nas águas do Mar Vermelho no Oceano Índico. Note as linhas próximas aos olhos. Fonte: Gustavo Gerdel/Wikimedia Commons (CC BY-SA 4.0).



VIDA LONGA, REPRODUÇÃO TARDIA


Estes peixes podem chegar a viver mais de 30 anos e são encontrados nas águas tropicais no Oceano Pacífico. Durante algumas épocas do ano, realizam pequenas agregações reprodutivas, onde indivíduos adultos se juntam em dezenas a centenas de peixes em um mesmo local para se reproduzirem.


Após ocorrer a fecundação, os ovos são liberados na água para, depois de um tempo, eclodir a forma larval. Esta larva vai para as áreas arenosas rasas adjacentes a lagoas de recifes de corais para que ocorra o crescimento. Os indivíduos adultos são comumente encontrados em profundidades de até 100 metros.



Fotografia do peixe-napoleão. O animal encontra-se de forma frontal na imagem. A cabeça está bem evidente, com sulcos no rosto e na testa. De forma menos evidente, aparecem as escamas em diamante no corpo.

Peixe-napoleão nadando nas águas da Polinésia na Oceania. Fonte: com modificações de Ollografik/Flickr (CC BY-ND 2.0).



Os indivíduos jovens são hermafroditas protogínicos, ou seja, eles nascem com o sexo feminino e em algum momento da vida podem sofrem uma mudança para o sexo masculino. É uma das formas de hermafroditismo mais comum entre os peixes, onde cerca de 75% das espécies possuem este comportamento (conheça mais sobre a determinação sexual em espécies marinhas). Eles amadurecem como fêmea com cerca de 5 anos de idade e alguns indivíduos mudam para machos adultos com cerca de 9 anos de idade. Isso acontece quando o macho dominante morre ou é removido do “harém”, então a fêmea maior começa a cortejar os outros peixes e se torna o novo macho dominante.



O RISCO DE EXTINÇÃO


Os peixes desta espécie possuem um grande valor cultural em países banhados pelo Oceano Pacífico, e estão entre os mais apreciados no comércio de exportação de peixes vivos dos recifes de corais. São capturados durante a fase juvenil diretamente para venda ou para crescerem em aquários de restaurantes e mercados sendo vendidos como refeição. A demanda do comércio é alta e, como na maioria das vezes eles são capturados antes da idade reprodutiva, o número de populações têm diminuído drasticamente.


A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), organização que divulga o estado de preservação das espécies, mudou em 2004 a classificação do peixe-napoleão de vulnerável para ameaçado de extinção. O órgão regulamentador do comércio transfronteiriço de espécies selvagens, o CITES (Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestre Ameaçadas de Extinção), também em 2004, determinou regulamentações mais rígidas para proteger os peixes da pesca excessiva. A maioria dos países já baniram a comercialização, porém, a Indonésia, onde são encontrados cerca de um quinto do habitat desta espécie, permite a exportação de dois mil peixes por ano.



O EFEITO CADEIA


O peixe-napoleão se alimenta de uma grande variedade de invertebrados e peixes ósseos, e é um dos cinco predadores das estrelas-do-mar-coroa-de-espinhos Acanthaster planci, uma espécie conhecida por devastar os recifes de corais se suas populações não estiverem sob controle.



Fotografia da Estrela-do-mar-coroa-de-espinhos. A estrela-do-mar encontra-se apoiada em uma rocha dentro d'água. Distribuído pelo corpo estão incontáveis espinhos. Em segundo plano, temos um peixe nadando, rochas e água.

Estrela-do-mar-coroa-de-espinhos Acanthaster planci. Perceba a quantidade de espinhos presentes neste animal. Só existem cinco predadores capazes de comer esta estrela, e o peixe-napoleão é um deles. Fonte: Kris Mikael Krister/Wikimedia Commons (CC BY 3.0).



Populações crescentes de indivíduos destas estrelas-do-mar ser alimentam de grandes áreas de coral. Este aumento da população pode ocorrer naturalmente, mas também pode ser causado por atividades humanas como a sobrepesca de muitos dos seus predadores, como o peixe-napoleão. Além dos danos causados por esta estrela-do-mar, o despejo de esgoto no mar também prejudica os recifes de corais.


O peixe-napoleão como predador de Acanthaster planci é significativamente importante para proteger o recife de coral da predação excessiva da estrela-do-mar. Os recifes de corais são de extrema importância para o meio ambiente e a morte destes indivíduos trazem danos drásticos para todo ecossistema marinho, pois eles ajudam a preservar por volta de 25% das espécies marinhas.


A diminuição das espécies marinhas devido aos impactos humanos no ecossistema marinho, como a poluição por microplástico, vazamento de petróleo e a poluição sonora podem ocasionar a morte dos oceanos, e por consequência, a nossa.




Escute este artigo também pelo nosso Podcast. Clique aqui!



Bibliografia


AVISE, J. C. & MANK, J. Evolutionary Perspectives on Hermaphroditism in Fishes. Sexual Development, [S.L.], v. 3, n. 2-3, p. 152-163, 2009. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19684459/. Acesso em: 07 fev. 2021.


BEURTEAUX, D. Jantares luxuosos podem mudar a realidade do peixe considerado o “rei dos corais”: o mercado de luxo dos peixes vivos de recifes de coral ameaça o peixe-napoleão. 2020. National Geographic Brasil. Disponível em: https://www.nationalgeographicbrasil.com/animais/2020/04/jantares-luxuosos-podem-mudar-realidade-do-peixe-considerado-o-rei-dos-corais. Acesso em: 06 fev. 2021.


CHOAT, Jh. et al. Age structure and growth in a large teleost, Cheilinus undulatus, with a review of size distribution in labrid fishes. Marine Ecology Progress Series, [S.L.], v. 318, p. 237-246, 2006. Inter-Research Science Center.


RATIANINGSIH, R. et al. The role of top-predator in the preservation of coral reefs ecosystem. Communication In Biomathematical Sciences, [S.L.], v. 1, n. 1, p. 1-54, 2017. The Institute for Research and Community Services (LPPM) ITB. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/329422822_The_role_of_top-predator_in_the_preservation_of_coral_reefs_ecosystem. Acesso em: 07 fev. 2021.


SADOVY, de M. Y.; LIU, M. & SUHARTI, S. Gonadal development in a giant threatened reef fish, the humphead wrasse Cheilinus undulatus, and its relationship to international trade. Journal of Fish Biology, [S.L.], v. 77, n. 3, p. 706-718, 2010. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20701649/. Acesso em: 01 fev. 2021.


SADOVY, Y. et al. The Humphead Wrasse, Cheilinus undulatus: synopsis of a threatened and poorly known giant coral reef fish. Reviews In Fish Biology And Fisheries, [S.L.], v. 13, n. 3, p. 327-364, 2003. Springer Science and Business Media LLC. Acesso em: 07 fev. 2021.


SADOVY, Y. J. & VINCENT, A. C.J. Ecological Issues and the Trades in Live Reef Fishes. Coral Reef Fishes, [S.L.], p. 391-420, 2002. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/277686929_Ecological_Issues_and_the_Trades_in_Live_Reef_Fishes. Acesso em: 05 fev. 2021.


SADOVY, Y. M.; LIU, M. Functional hermaphroditism in teleosts. Fish And Fisheries, [S.L.], v. 9, n. 1, p. 1-43, mar. 2008. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1467-2979.2007.00266.x. Acesso em: 04 abr. 2021.


SADOVY Y. & SUHARTI S. Napoleon Fish, Cheilinus undulatus, Indonesia. Mexico, NDF workshop case study 3, 13 pp. 2008.


SPC. The Pacific Community Sustainable Pacific Development Through Science, Knowledge and Innovation. Folhas informativas para comunidades da pesca: estrela-do-mar coroa de espinhos (acanthaster planci). 12. ed. 2015. 20 p. 20 v. Disponível em: https://spccfpstore1.blob.core.windows.net/digitallibrary-docs/files/ce/ce5afde5b2a1c20ab9e6dcc490c81e1d.pdf?sv=2015-12-11&sr=b&sig=4yh6R%2FTowmP8RVmOkMmJQiYOUlgUpYaUCN7UeYd0OAg%3D&se=2021-08-12T16%3A27%3A21Z&sp=r&rscc=public%2C%20max-age%3D864000%2C%20max-stale%3D86400&rsct=application%2Fpdf&rscd=inline%3B%20filename%3D%22Anon_12_ISFC_20_Acanthaster_VP.pdf%22. Acesso em: 10 jan. 2021.



785 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Faça parte!

Contribua com o Projeto Bióicos para a continuidade de nossas produções voluntárias, como: Revista, Poscast, Youtube e Instagram

Participe da vaquinha virtual via PIX

Chave Pix CNPJ: 29.093.477/0001-40
Responsável: prof. Dr. Douglas F. Peiró

Assine a lista e receba as novidades!

Obrigado pelo envio! Verifique seu e-mail e marque-nos como contato seguro!

bottom of page