Organismos planctônicos bioluminescentes

Atualizado: 1 de jul. de 2021

Autores: J. A. Pirângelo, Douglas F. Peiró e Thais R. Semprebom


A imagem mostra o mar a noite, em que uma onda com bioluminescência azul está quebrando na praia. Ao fundo da imagem, há duas embarcações.

Organismos planctônicos bioluminescentes iluminando uma onda. Fonte: makelessnoise/Flickr (CC BY 2.0).



BIOLUMINESCÊNCIA: O QUE É?


A incrível capacidade que alguns organismos possuem de brilhar no escuro proporciona um belo show na natureza. É possível encontrar esses organismos em diversos habitats, como cavernas, florestas, rios e, principalmente, em mares e oceanos. Há uma grande variedade que emite luz, como exemplo animais cnidários, ctenóforos, peixes, moluscos, etc. Além deles, as bactérias, fungos e algas.

Mas como isso é possível? A luminosidade que esses organismos emitem é chamada de bioluminescência, ou seja, a emissão de luz visível por organismos vivos.

A bioluminescência ocorre por meio de reações químicas exotérmicas, que são catalisadas por enzimas. Moléculas denominadas luciferinas, quando oxidadas por oxigênio, contribuem nessas reações produzindo moléculas excitadas eletronicamente, que potencializam a emissão de luz. Enzimas chamadas luciferases catalisam essas reações, interagindo com a energia das ligações químicas proveniente de compostos orgânicos, convertendo-a para luz visível.

A bioluminescência não é apenas beleza: ela também proporciona uma comunicação biológica entre os organismos, por vezes serve como um mecanismo de defesa contra predadores, ou então serve para atrair presas. Organismos marinhos bioluminescentes podem ser encontrados em diversas partes do mundo, inclusive no Brasil.



Ctenofora com formato de um arco com coloração azul bioluminescente em um fundo preto.