top of page

Mero: um rei ameaçado em seu próprio reino

Atualizado: 11 de nov. de 2022

Autores: José Pedro Vieira Arruda Júnior, Nicholas Negreiros, Raphaela A. Duarte Silveira e Douglas F. Peiró


Foto de um Mero (Epinephelus itajara), um peixe grande, com coloração esverdeada e com várias manchas pretas em todo o corpo. O animal está próximo ao sedimento e está ao lado de um substrato rochoso composto por algas.

O mero Epinephelus itajara em costão rochoso. Fonte: Albert kok (2009)/Wikimedia Commons (CC BY 3.0).



MAS AFINAL, O QUE VOCÊ SABE SOBRE OS MEROS?


Os meros Epinephelus itajara são peixes da família Serranidae (garoupas, chernes e badejos) e são animais grandes, chegando a 250 centímetros de comprimento, com registros de indivíduos podendo atingir 455 kg e idade máxima de 37 anos. Imagine o tamanho desses animais e como são valiosos para o ambiente em que vivem!


Esses animais se distribuem em regiões tropicais e subtropicais em escala global. Infelizmente, o fato de um animal ser amplamente distribuído não significa que existam muitos indivíduos dessa espécie. O mero é um exemplo, pois é considerado uma espécie em situação Vulnerável (IUCN) devido a sua sobrepesca e pela degradação do seu habitat. Essas pressões sobre ambiente e sobre animal são fatores que influenciam na diminuição de indivíduos de sua população.


Como são encontrados em áreas costeiras e rasas com presença de ecossistemas ameaçados, como recife de arenito, recifes de corais e substrato rochoso e lamoso, a existência do mero se tornou ameaçada e começou a preocupar ambientalistas e cientistas do oceano. Além disso, os meros também podem ocupar ambientes estuarinos, o que preocupa mais ainda esses profissionais, já que é outro ambiente amplamente degradado pela perda da sua vegetação e poluição da água.



E QUAL A IMPORTÂNCIA DOS MEROS PARA OS ECOSSISTEMAS QUE HABITAM?


Além de ser considerado um animal que atrai a curiosidade de várias pessoas, os meros são importantes para o funcionamento do ambiente que habitam, pois são predadores de topo de cadeia que se alimentam de outros peixes e invertebrados (cefalópodes e crustáceos, por exemplo). Isso torna o ambiente equilibrado, pois as interações entre os animais, plantas e microorganismos não são comprometidas, de uma forma que a ausência do mero pode desregular toda a teia trófica que o ambiente sustenta.


O que pode acontecer devido a diminuição de meros é o aumento da quantidade de outros peixes carnívoros que se alimentam de peixes herbívoros e que por sua vez decrescem em quantidade, possibilitando o aumento de algas no ambiente. As algas podem alterar a fisionomia e a dinâmica do ambiente devido a ocupação de substratos utilizados para o recrutamento de novos indivíduos.


A ecologia alimentar dos meros é tão interessante que há registros de meros que se alimentaram de juvenis de tartaruga-de-pente Eretmochelys imbricata e raias!


Outra ameaça que os meros sofrem está relacionada a biologia reprodutiva de sua espécie que é bastante intrigante. Esses animais formam agregações reprodutivas durante a noite e liberam seus gametas sob a luz da lua cheia. Esses eventos acontecem durante o verão (janeiro e março) no hemisfério Sul e na mesma estação (julho a setembro) no hemisfério Norte. Infelizmente, durante esses eventos, os animais são capturados pela atividade pesqueira e impedidos de completarem a sua reprodução.


Foto de uma agregação reprodutiva de cinco indivíduos de meros próximo a uma rocha grande. Na foto, pode ser observado três indivíduos no centro da imagem, um na esquerda da foto e outro na direita já saindo da agregação. Também é possível observar vários peixes pequenos não identificáveis.

A agregação reprodutiva de meros pode conter até 100 indivíduos. Fonte: Geralde Carol (Florida, 2011)/Wikimedia Commons (CC BY 3.0).



MAS O QUE PODEMOS FAZER PARA AJUDAR O REI DOS MARES?


Nós, seres humanos, podemos contribuir com a restauração das populações de meros. Não é uma tarefa fácil, pois precisa de muita paciência e investimento do poder público e privado. Podemos citar como exemplo o Projeto Meros do Brasil e a Associação Atevi, que tem se preocupado com a pesquisa e conservação destes animais.


Atualmente existem algumas medidas que podem auxiliar a conservação, como a proibição por lei da pesca do mero. Embora algumas pessoas não respeitem essa lei, a sua existência nos ajuda a chegar cada vez mais perto do objetivo de proteção e restauração das populações do mero.


Foto em preto e branco de um pescador, a esposa e filha em um píer com vários indivíduos juvenis e adultos de mero pescados e exibidos para venda. O tamanho dos animais é maior do que o dos membros da família em pé.

Os meros foram alvos da sobrepesca, o que levou à proteção desses indivíduos atualmente. Fonte: Florida Keys Public Library (1958)/ Flickr (CC BY 2.0).



De acordo com a Portaria N° 13/2015 (MPA/MMA) protege os meros, estabelecendo a proibição da sua captura, transporte e comercialização em território nacional. A prática é considerada crime ambiental. Os infratores estarão sujeitos à detenção de um a três anos, multa, ou ambas as penas cumulativas (Lei nº 9.605 de 12/02/98 e Decreto nº 6.514 de 22/07/08). A moratória que proíbe a captura e venda existe desde 2002 com três prorrogações consecutivas.


Outra forma é por meio de educação ambiental e divulgação científica feitas pelas sociedades civis organizadas, universidades e institutos de conservação nas escolas e nas comunidades pesqueiras, numa abordagem de ‘’conhecer para conservar’’. A ciência cidadã também é utilizada pelos profissionais do Projeto Meros do Brasil.


Dessa forma, com a união de cientistas, poder público e privado e sociedade civil, as populações de mero poderão se recuperar e o rei dos mares, com seu corpo exuberante e magnífico, nos surpreenderá cada vez mais.




Escute este artigo também pelo nosso Podcast. Clique aqui!



Bibliografia


ARTERO, C. et al. Ontogenetic dietary and habitat shifts in goliath grouper Epinephelus itajara from French Guiana. Endangered Species Research, v. 27, n. 2, p. 155-168, 2015.


BUENO, L. S. et al. Evidence for spawning aggregations of the endangered Atlantic goliath grouper Epinephelus itajara in southern Brazil. Journal of fish biology, v. 89, n. 1, p. 876-889, 2016.


PROJETO MEROS DO BRASIL. Brasil, 2012. Disponível em: http://www.merosdobrasil.org/index.php?lang=pt. Acesso em: 05 out. 2020.


PUSACK, T. J.; GRAHAM, R. T. Threatened fishes of the world: Epinephelus itajara (Lichtenstein, 1822) (Epinephelidae, formerly Serranidae). Environmental biology of fishes, v. 86, n. 2, p. 293, 2009.




753 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Faça parte!

Contribua com o Projeto Bióicos para a continuidade de nossas produções voluntárias, como: Revista, Poscast, Youtube e Instagram

Participe da vaquinha virtual via PIX

Chave Pix CNPJ: 29.093.477/0001-40
Responsável: prof. Dr. Douglas F. Peiró

Assine a lista e receba as novidades!

Obrigado pelo envio! Verifique seu e-mail e marque-nos como contato seguro!

bottom of page