top of page

Jundu: o “mato” que protege o litoral

Autores: Juliana De Lucca, Filipe Guilherme Ramos Costa Neves, Raphaela A. Duarte Silveira e Douglas F. Peiró


Fotografia de uma praia com areia branca coberta por plantas rasteiras, com destaque para as folhas verdes e raízes aparentes sobre a areia.

O jundu, vegetação nativa rasteira da praia, é muitas vezes confundido com plantas daninhas. Fonte: alllessandro_/Pixabay.



Alguma vez você já foi a uma praia e se deparou com um “mato” invadindo a areia? Uma planta de folhas verdes, grossas, coriáceas, flores bonitas e umas raízes que parecem rastejar no chão formando uma trama? É possível que você tenha até se incomodado com essa cena, achando que a praia estava mal cuidada, precisando de uma limpeza. Pois saiba que você teve sorte: o que você viu foi o jundu, vegetação típica do litoral, cujas espécies estão ameaçadas de extinção.


O nome jundu é de origem indígena, jun’du ou nhun’du, que significa “vegetação rasteira próximo à praia”. O jundu é o nome popular de uma vegetação formada por gramíneas e arbustos que medem até 1,50 m de altura e integra a mata de restinga, ecossistema pertencente ao bioma Mata Atlântica.



POR QUE CONSERVAR O JUNDU?


O primeiro benefício do jundu é a sua beleza. Apesar de seu aspecto frágil, ele é muito resistente ao sol, às marés e ao vento, e nos presenteia com folhas sempre bem verdes e uma variedade de flores e frutos coloridos.


Foto de uma planta rasteira sob a areia branca da praia, com destaque para duas flores de cor roxo claro, rodeadas de raízes rastejantes e folhas verdes.

Ipomea pes-caprae, conhecida popularmente como salsa-da-praia ou pé-de-cabra, é uma das plantas símbolo do jundu. Fonte: Forest & Kim Starr/Wikimedia Commons (CC BY 3.0).



Formado por plantas comestíveis, medicinais, ornamentais e frutíferas, protegê-lo é proteger a biodiversidade local. Além disso, esta flora diversa é uma ótima fonte de alimento e abrigo para insetos, aves, répteis, entre outros habitantes da zona costeira.


Foto de um filhote de ave, com penas pretas por todo corpo, e uma faixa de penugem branca ao redor do pescoço, deitado em cima de raízes da vegetação de jundu. No canto direito, há algumas folhas verdes da planta.

Filhote de ave marinha em ninho abrigado nas raízes do jundu. Fonte: Forest & Kim Starr/Wikimedia Commons (CC BY 3.0 US).



Ele também serve como uma barreira natural que ajuda a evitar o avanço das marés, especialmente em épocas de ressaca, assim como ajuda também a evitar o avanço da areia da praia sobre a cidade.


Ainda, por possuir raízes bastante ramificadas, essa vegetação ajuda a evitar a erosão das praias, segurando os grãos de areia ao fixar suas raízes. Isso é muito importante para que a areia fique estável e que não seja carregada para o mar com as marés altas. Esta movimentação de areia indevida cria bancos de areia no assoalho marinho, o que é capaz de mudar o padrão de ondas do mar. Há até mesmo relatos de surfistas do litoral norte de São Paulo que perceberam a alteração na formação das ondas em praias que sofrem com a devastação do jundu.


A permanência do jundu em algumas praias pode evitar inclusive catástrofes como desbarrancamentos de estradas e de construções.


Foto de uma praia com areia branca coberta por planta rasteira, formando um emaranhado de raízes por sob a areia da duna. Ao fundo, um homem de camisa branca, shorts azul e chapéu, mira o mar azul.

A vegetação rasteira do jundu forma uma trama que protege o solo contra a erosão. Fonte: Forest & Kim Starr/Wikimedia Commons (CC BY 3.0).



AMEAÇAS À EXISTÊNCIA DO JUNDU


O jundu corre perigo de extinção. Ao longo dos anos ele foi sendo destruído para abertura de ruas e estradas e construções à beira-mar, como casas, prédios, calçadões e quiosques de alvenaria.


Foto de uma praia com areia branca coberta por plantas de estatura baixa, com destaque para as folhas verdes e flores roxas e amarelas. Ao fundo, bem próximo da vegetação, aparecem prédios residenciais, com varandas envidraçadas.

Especulação imobiliária é uma das maiores ameaças à sobrevivência do jundu. Fonte: Dpalma01/Wikimedia Commons (CC BY-SA 4.0).



A própria falta de conhecimento sobre ele pela população torna a sua existência ainda mais vulnerável. Por exemplo, você já se perguntou por que não se pode entrar com carros na praia? Proteger o jundu é um dos principais motivos! Aliás, quando você se depara com placas de aviso sobre não pisar em determinadas áreas da praia, muito provavelmente significa que já há ali projetos em andamento para a recuperação ambiental do jundu.


Hoje, o jundu é protegido por lei e qualquer dano a ele, sem prévia autorização pelos órgãos competentes, pode e deve ser denunciado.


E agora você já sabe: a próxima vez que encontrar esse “mato” adentrando na sua praia, anime-se e aproveite! A presença do jundu é um dos indicadores de praias ecologicamente equilibradas e em bom estado de preservação.




Bibliografia


Aula Jundu - Que verde é esse? É o Jundu. BTV Bertioga. https://www.youtube.com/watch?v=3Hc8NrhCueQ. Acesso em: 11 set. 2023.


GUIMARÃES, A. Alexandre Guimarães fala sobre a extinção do Jundu, em Ubatuba. Surf Today. https://surftoday.com.br/alexandre-guimaraes-fala-da-extincao-do-jundu-em-ubatuba/. Acesso em: 11 set. 2023.


NHUN’DU que virou Jundú. Mais Peruíbe. https://www.maisperuibe.com.br/2020/12/nhundu-que-virou-jundu/. Acesso em: 10 set. 2023.

155 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Faça parte!

Contribua com o Projeto Bióicos para a continuidade de nossas produções voluntárias, como: Revista, Poscast, Youtube e Instagram

Assine a lista e receba as novidades!

Obrigado pelo envio! Verifique seu e-mail e marque-nos como contato seguro!

bottom of page