Fossas oceânicas: profundidade ao extremo

Atualizado: 2 de set.

Autores: Nicholas Negreiros, Fernanda Cabral Jeronimo, Thais R. Semprebom, Mariana P. Haueisen, Raphaela A. Duarte Silveira e Douglas F. Peiró


Vista de cima da formação natural chamada grande buraco azul. Na foto podemos ver como o buraco é um círculo perfeito com alguns bancos de areia ao redor e as diferenças no tom de azul, que dentro da formação é muito mais escuro do que ao redor. Vemos também algumas embarcações navegando por dentro do círculo.

Um dos maiores “buracos azuis” do mundo, o Great Blue Hole (grande buraco azul), em Belize, na América Central, com 300 metros de largura e 124 metros de profundidade. Fonte: US Geological Survey/Wikimedia commons (CC0).



Dentre tudo o que se sabe ao longo de tantos anos de exploração oceânica, as zonas de profundidade têm se mostrado bastante desafiadoras para os cientistas. Essas zonas guardam uma abundante diversidade e também uma incrível história geológica, uma vez que, para a formação de uma região desse porte, é necessário uma imensa transformação geológica durante milhares de anos.


Observando as diferenças de profundidade e distância dos continentes, podemos dividir as regiões em região nerítica (estende-se até o final da plataforma continental, geralmente 200 m de extensão) e região oceânica (toda zona a partir da plataforma continental), além de existirem zonas de profundidade, que são: zonas epipelágica, mesopelágica, batipelágica, abissopelágica e hadopelágica.


Ilustração mostrando as divisões oceânicas. Do lado esquerdo há a representação de um corte longitudinal do costão, com as zonas hadal, abssal, batial, plataforma continental, bentônica e litoral. Do lado direito, ha a divisao de acordo com a profundidade, epipelágica, mesopelágica, batipelágica, abissopelágica e hadopelágica, assim como em zonas fótica e afótica. Na parte superior da imagem, há a divisão de acordo com a distancia do continente, em nerítica e oceânica.

Divisões oceânicas de acordo com a profundidade e distância do continente. Fonte: adaptado de