Impactos das mudanças climáticas em recifes de coral ao longo do tempo: uma breve análise

Atualizado: 3 de jun.

Autores: Rudimar Risso de Oliveira Junior, Fernanda Cabral Jeronimo, Thais R. Semprebom, Aline Pereira Costa e Douglas F. Peiró



Fotografia aérea de um trecho da Grande Barreira de Corais Australiana em águas  que variam do azul-cristalino para o azul-turquesa. Um agrupamento de corais forma uma linha maior ao longo do mar, enquanto outros formam círculos sob a água.

Grande Barreira de Corais Australiana. Fonte: Pixabay.



Os oceanos são de fundamental importância para os seres vivos. Vão muito além de cobrir cerca de 71% da Terra: estabilizam a temperatura do globo, regulam a interação entre os gases na atmosfera, determinam o clima do planeta e abrigam uma gama de biodiversidade impressionante e imprescindível para o equilíbrio ecológico.



RECIFES DE CORAL: HABITAT E IMPORTÂNCIA ECOLÓGICA


Os recifes de coral são essenciais nas águas marinhas pois oferecem habitat para diversas espécies, serviços ecossistêmicos e auxiliam no ciclo biogeoquímico. Estão restritos, em boa parte, às águas quentes e claras, sendo abundantes em regiões tropicais do Indo-Pacífico. No Brasil, os corais estão distribuídos em cerca de 3 mil km de litoral, do Maranhão até o Sul do estado da Bahia, representando, então, as únicas formações recifais do Atlântico Sul.

Em todo o globo, os ecossistemas de recifes de coral sofrem pressão de diversos fatores estressantes, principalmente de eventos originados das mudanças climáticas. Diante disso, eles estão entre os indivíduos mais sensíveis à acidificação dos oceanos, já que conforme o aumento do pH da água, a simbiose desempenhada pelos pólipos e microalgas são comprometidas. A acidificação das águas oceânicas, um dos problemas ocasionados pelo aumento da concentração de CO2 associada ao aumento da temperatura, influencia principalmente na