Diário de uma estagiária: o que um estágio em Biologia Marinha pode acrescentar na sua vida

Atualizado: 31 de mar. de 2020

Autores: Andreliza Terciotti, Julia R. Salmazo, Regiane Castro Dall’Aqua, Thais R. Semprebom e Douglas F. Peiró


Imagem mostrando 5 pessoas, quatro mulheres e um homem, em cima de uma ponte na base do Projeto TAMAR. Ao fundo podemos ver do lado esquerdo, a estátua de uma tartaruga e do lado direito uma casa e algumas árvores.

Estagiários do Projeto TAMAR, base de Ubatuba/SP, em abril de 2017. Fonte: Andreliza Terciotti ©.



Olá, diário.


Você bem sabe que na graduação não tive muitas oportunidades fora da vida acadêmica... em uma de minhas férias estagiei com insetos sociais (abelhas e formigas) na UNESP em Rio Claro e os maiores ensinamentos que levarei para a vida observando o comportamento desses pequenos insetos são: a organização e cooperação em equipe!


Porém, alguns anos depois, dentro da UFSCar em Sorocaba, no Laboratório de Sementes e Mudas Florestais, passei um tempo maior engajada em outros projetos: banco de dados sobre sementes de espécies florestais e análise do aporte de chuva de sementes em área restaurada, onde tive contato com campo, aplicação de metodologias em campo e vivência em equipe.


Se pudesse aconselhar alguém, eu diria: “não perca tempo, aproveite suas férias e vá se aventurar em diversos estágios por esse Brasil afora”, porque as disciplinas, trabalhos e toda a graduação consomem demais o nosso tempo. Contudo, as atividades fora da universidade nos mostram que nossa formação vai muito além da sala de aula e talvez em um desses estágios é que nos descobrimos!


Os estágios agregam muito aprendizado. Caso você já tenha afinidade por alguma área, vale muito a pena investir em um projeto, podendo dar base e resultar naquele trabalho de conclusão de curso – TCC, mas você também pode investir em áreas diversas e se surpreender a cada escolha, conhecendo novas áreas de atuação e pesquisa!