A maior bactéria marinha já encontrada: Thiomargarita namibiensis

Atualizado: 3 de ago.

Autores: Filipe Guilherme Ramos Costa Neves, Fernanda Cabral Jerônimo, Aline Pereira Costa e Douglas F. Peiró



Desenho colorido da bactéria Thiomargarita namibiensis, representada como bolinhas em fileira, dentro do sedimento de coloração esverdeada com a água representada na cor azul-rocheada.

Representação de populações de Thiomargarita namibiensis no sedimento em ressuspensão (em verde). As bactérias estão representadas por bolinhas brancas. H2S significa gás sulfídrico, NO3, nitrato e O2, gás oxigênio. Fonte: Denis Barthel/Wikimedia Commons (CC BY-SA 3.0).



Os micro-organismos são as formas de vida mais abundantes do planeta. Embora sejam pequenos em tamanho, sua importância para a manutenção da vida no planeta é imensa. São encontrados em todas as parte do oceano, seja nas regiões abissais, mesmo abaixo do sedimento, até as regiões entre-marés. Esses seres contribuíram muito para a evolução das espécies ao longo do tempo geológico. Quase todos os processos químicos realizados pelos organismos mais complexos também são realizados pelos micro-organismos. Além de serem produtores primários e servirem de alimento para algumas espécies, contribuem com a ciclagem de nutrientes no planeta.


Os procariontes são um grupo desses micro-organismos, apresentando uma forma de vida mais simples em termos de tamanho e estrutura celular. Também representam a forma mais rudimentar de vida existente no planeta Terra e são formados por células contendo parede celular, membrana plasmática e citoplasma. Porém, diferentemente dos eucariontes, eles não possuem núcleo definido, seu material genético é encontrado espalhado pelo citoplasma. Também não têm organelas membranosas, ou seja, envolvidas por uma bicamada de fosfolipídios. Existem dois tipos de procariontes: as bactérias e as arqueas, que se diferenciam bastante em termos moleculares.



A DESCOBERTA DA Thiomargarita namibiensis