Armadilhas no mar: a morte incidental de animais marinhos

Atualizado: 7 de set. de 2020

Autores: Lucas Garcia Martins, Andreliza Roberta Terciotti de Oliveira, Andrea Bezerra Magalhães, Raphaela A. Duarte Silveira, Thais R. Semprebom e Douglas F. Peiró


Foto de seis filhotes de tartarugas-marinhas na praia, indo em direção ao mar, com areia sobre seus corpos.

Tartarugas marinhas recém-nascidas. Fonte: Skeeze/Pixabay (Domínio público)



Ao olhar para a imagem acima, provavelmente vocês imaginam que essas tartaruguinhas estão caminhando para um paraíso azul onde viverão uma vida feliz junto dos outros animais, certo? Porém, vamos explorar melhor este assunto!

Na terra ou no mar os animais lutam pela sobrevivência, sobretudo para passar seus genes adiante, ou seja, manter-se geneticamente vivos. Entretanto, nós humanos estamos dificultando a vida desses animais quando descartamos plásticos ou equipamentos de pesca de forma inadequada, pois esse lixo acaba chegando ao mar.


No caso das tartarugas marinhas, desde seu nascimento até sua chegada ao mar, encontram diversos desafios para sobreviver. Até atingirem a fase adulta, elas podem encontrar contratempos, dentre os quais podemos citar predadores e o lixo. Aquelas redes de pesca e petrechos “esquecidos” no mar acabam sendo também grandes armadilhas desse lar. Por isso, ouvimos com frequência que as situações que mais colocam os animais marinhos em risco são nossas próprias atitudes.



PESCA FANTASMA


Você sabia que por ano, no Brasil, aproximadamente 25 milhões de animais que compõem a fauna marinha sofrem impacto com a “pesca fantasma”?


A pesca fantasma é considerada aquela em que a rede de emalhe (tipo de pesca passiva, ou seja, os peixes se prendem na malha devido ao seu próprio movimento), rede de arrasto ou petrechos de pesca (varas, linhas, anzóis, espinhéis) são descartados no oceano e permanecem circulando por anos nas águas oceânicas ou presos em rochas. Esses objetos se tornam verdadeiras armadilhas para os animais marinhos, incluindo aves que mergulham para pescar.

De acordo com a ONG World Animal Protection (Proteção Animal Mundial), cerca de 640 mil toneladas de equipamentos são encontrados no oceano a cada ano e estima-se que 580 kg de redes de pesca sejam abandonadas por dia no Brasil.

Tartarugas e outros animais de grande porte