Efeito sobre a flutuabilidade do mergulhador e o Princípio de Arquimedes

Atualizado: 29 de nov. de 2021

Autores: Diogo de O. Bagatin, Mariana P. Haueisen, Thais R. Semprebom, Raphaela A. Duarte Silveira e Douglas F. Peiró



Fotografia de um mergulhador paira na coluna d'água próximo ao fundo em frente a uma tartaruga de pente

Face a face, um mergulhador e uma tartaruga de pente (Eretmochelys imbricata). Fonte: Amanda Góes/Barracudas Imagens.



Um dos primeiros efeitos que os mergulhadores sentem ao entrar na água é a sensação de gravidade zero. Essa incrível sensação de voar que o mergulho nos proporciona acontece porque nos líquidos se aplicam as propriedades da força de empuxo. Esta propriedade foi estudada pelo filósofo naturalista grego Arquimedes, que a descreveu como uma Lei da física fundamental para mecânica de fluidos e que leva o seu nome: o Princípio de Arquimedes.



PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES


Conta a lenda que o rei Hierão, da cidade-estado de Siracusa, na Grécia antiga, estava intrigado com a fabricação de uma coroa de ouro que ordenou fazer, pois ouviu boatos que o ourives não tinha usado somente ouro em sua fabricação. Então, mandou chamar o Sábio Arquimedes para solucionar o problema da coroa, que era dourada e parecia de ouro. Porém, o rei queria ter certeza de sua composição sem que ela fosse destruída.


Arquimedes estava dedicado a ajudar o rei na solução do problema proposto e, em um belo dia, entretido com a questão, entrou ele em sua banheira e o insight chegou. Vislumbrado com a descoberta, saiu ele, nu, pelas ruas da cidade, gritando “Eureka!!! Eureka!!! Eureka!!!”.