Pinípedes: lobos-marinhos, leões-marinhos, elefantes-marinhos, morsas e focas

Atualizado: 7 de mai. de 2021

Autores: Raphaela Alt Müller, Mariana P. Haueisen, Thais R. Semprebom e Douglas F. Peiró



Imagem com cinco fotos de diferentes pinípedes. Na parte superior esquerda, a foto "A" é um leão-marinho. Na parte superior direita, a foto "B" é um lobo-marinho. Na parte inferior esquerda, a foto 'C' é uma foca. Na parte inferior direita, a foto 'D' é uma morsa. No meio da imagem, a foto 'E', é um elefante-marinho.

Em A, percebe-se que o animal possui um nariz largo e sem orelhas proeminentes, essas características são vistas nos leões-marinhos (família Otariidae, espécie Otaria flavescens). Em B, o animal possui um focinho comprido e longo, com orelhas bem evidentes, características dos lobos-marinhos (família Otariidae, espécie Arctocephalus australis). Na letra C, o animal não apresenta orelhas externas, característica fundamental das focas (família Phocidae). Na foto D, bigodes e dentes grandes são vistos, característica das morsas (família Odobenidae, espécie Odobenus rosmarus) . Em E, o animal apresenta um grande focinho, parecido com de um elefante, característica que faz com o que o animal se chame elefante-marinho (família Phocidae, espécie Mirounga angustirostris). Fonte: (A) Alexas_Fotos/Pixabay; (B) tataninireo/Pixabay; (C) ToNic-Pics/Pixabay; (D) Autor desconhecido/Pixabay; (E) KevCam/Pixabay.



Os pinípedes são mamíferos adaptados tanto à vida aquática quanto à terrestre. Na terra, eles realizam a troca de pelagem, descansam e se reproduzem, e, no mar, buscam seu alimento. Eles podem ser encontrados em todos os oceanos do globo, porém, se concentram principalmente nas águas frias do Ártico e da Antártica. Lobos e leões-marinhos são vistos aqui no Brasil, geralmente descansando em substratos rochosos, praias ou em locais onde a atividade pesqueira é frequente.


Fazem parte da Ordem Carnivora, dentro da Infraordem Pinnipedia. Estão classificados em três famílias: Otariidae (lobos e leões-marinhos), Odobenidae (morsas) e Phocidae (focas e elefantes-marinhos). No Brasil, é relatada a ocorrência de representantes das famílias Otariidae e Phocidae.


Os pinípedes apresentam o corpo cilíndrico, com extremidades alongadas e finas, e coberto de pelos, que são anualmente renovados. As orelhas externas podem ou não estar presentes. Possuem uma camada de gordura bem espessa, que ajudam a manter seu corpo aquecido. Alimentam-se, em geral, de peixes, crustáceos e outros animais marinhos, como os pinguins.



Fotografia de uma foca submersa no mar de água esverdeada. Ela está de frente para a câmera.

Foca-comum (família Phocidae, espécie Phoca vitulina) nadando no Mar do Norte, no Oceano Atlântico. Fonte: Ole Wieneke/Pixabay.



FAMÍLIA OTARIIDAE


A família Otariidae engloba os lobos e leões-marinhos. Ela inclui 14 espécies, das quais quatro ocorrem na costa sul no Brasil: lobo-marinho-ártico (Arctocephalus gazella), lobo-marinho-sul-americano (Arctocephalus australis), leão-marinho-sulamericano (Otaria flavescens) e o lobo-marinho-subantártico (Arctocephalus tropicalis).


O grupo se caracteriza por ter presença de orelhas externas e o apoio nos membros anteriores durante a locomoção, as nadadeiras posteriores podem ser projetadas anteriormente, ventralmente, o que facilita seu movimento em terra. Sua pelagem é curta e grossa. Os orifícios respiratórios estão posicionados na parte frontal, e eles são capazes de abrir e fechar as narinas de forma voluntária.


Os lobos-marinhos possuem um focinho fino e comprido, com orelhas externas salientes, o macho pode chegar a 1,90 m de comprimento pesando aproximadamente 160 kg.



Fotografia de um lobo-marinho em cima de pedras. Ele está posicionado lateralmente e de olhos fechados se apoiando nas nadadeiras anteriores.

Lobo-marinho-sul-americano (Arctocephalus australis). Repare no focinho pontudo e nas orelhas bem visíveis, características típicas dos lobos-marinhos. Fonte: CHUCAO/Wikimedia Commons (CC BY-SA 3.0).



Já os leões-marinhos possuem um focinho largo e curto, com orelhas pequenas e escondidas. Os machos chegam a 2,55 m de comprimento e podem pesar 360 kg. Além disso, possuem uma camada de pelos ao redor do pescoço, formando uma juba, por isso o nome “leão-marinho”.



Fotografia de um leão-marinho em cima de pedras, posicionado lateralmente, olhando para a câmera e está se apoiando nas nadadeiras anteriores. Ao fundo vemos o céu esbranquiçado e uma ave nas pedras.

Leão-marinho-do-sul (Otaria flavescens) no canal do Beagle. Repare no focinho curto e nas orelhas curtas. Esse animal também apresenta uma camada de pelos bem evidentes ao redor do pescoço, formando uma juba. Fonte: Atsme/Wikimedia Commons (CC BY-SA 4.0).



FAMÍLIA PHOCIDAE


A família Phocidae engloba as focas verdadeiras e os elefantes-marinhos. Os animais desta família são encontrados nos principais oceanos do mundo, exceto no Oceano Índico. Ao total, são conhecidas 19 espécies e, no Brasil, são registradas três delas: Mirounga leonina (elefante-marinho-do-sul), Lobodon carcinophagus (foca-caranguejeira) e Hydrurga leptonyx (foca-leopardo).



Foto de um elefante-marinho deitado na praia. Ele está deitado de barriga para baixo, ao fundo vemos o o mar e, na frente do elefante, há uma ave caminhando sobre a areia.

O elefante-marinho-do-norte (Mirounga angustirostris). Fonte: Autor desconhecido/Pixabay.



Os membros desta família variam muito em tamanho, os menores pesam cerca de 90 kg, já os maiores podem pesar 3.600 kg. Os elefantes-marinhos, que são considerados os maiores Pinípedes, possuem uma camada de gordura bastante densa, representando mais de 25% de todo o peso do animal.


A orelha externa é ausente, as nadadeiras anteriores são bem curtas, menos de ¼ do comprimento do corpo, com unhas bem desenvolvidas. As nadadeiras traseiras são grandes e se estendem caudalmente. Em terra, esse animais movem-se de forma peculiar, é uma combinação de deslizar e flexionar o corpo de um lado para o outro, já que não conseguem usar as nadadeiras para se locomover.



Fotografia de uma foca deitada lateralmente no gelo. Ela está com o ventre voltado para a lateral e as nadadeiras próximas ao peito. Ao fundo há bastante neve e gelo.

Foca-leopardo (Hydrurga leptonyx) na península de Tabarin. Fonte: Godot13/Wikimedia Commons (CC BY-SA 4.0).



São animais mais adaptados à vida aquática do que terrestre. São talentosos mergulhadores e podem atingir grandes profundidades, permanecendo debaixo d'água por períodos prolongados. Algumas espécies podem mergulhar a profundidades de 600 m e ficar submersas por mais de uma hora.



FAMÍLIA ODOBENIDAE